Thursday, March 20, 2014

Interview with Richard Teitelbaum

Richard Teitelbaum was born on May 19th, 1939 in New York, USA. His father, a lawyer and amateur pianist, gave him his first piano lessons, before Richard went to study with Mark Goldin, an European piano teacher living in NY. In the late '50s Richard Teitelbaum became interested in electronic music, after attending a lecture by German composer Karlheinz Stockhausen. Soon he also had access to the works of composer John Cage, who became another influential artist to Richard.

In 1964, Richard received his Master's Degree in music theory and composition at Yale University, and then he went to Italy on a Fulbright. There he met composers Goffredo Petrasi and Luigi Nono, with whom Richard has studied and worked for some time. Also in the mid-sixties, he co-founded the live electronic music group Musica Elettronica Viva, in Rome. In 1967, interested in using brainwaves in his music, he became aware that american engineer Robert Moog had recently developed the Moog synthesizer and was putting on market his new invention. Richard contacted him and soon became the first person to bring a Moog synthesizer to Europe, in 1967.

In 1970, he returned to the USA and kept on his experiments with live electronic music and acoustic instruments. A collaboration with jazz saxophonist Anthony Braxton began in 1976 and in the following year Richard Teitelbaum spent a year in Tokyo, where he studied the shakuhachi (a traditional japanese bamboo flute) with Katsuya Yokoyama whom recorded with Mr. Teitelbaum some years later. For more than 20 years, Richard Teitelbaum has taught in the undergraduate and graduate programs at Bard College, in New York.

I've contacted Richard Teitelbaum some months ago. A very nice and gentle person, Mr. Teitelbaum has found some time in his busy schedule and gave me the honor and pleasure to interview him to my blog. I'd like to thank him very much. So, here's the interview with Richard Teitelbaum, electronic music pioneer!

ASTRONAUTA - How did you discover music in your life and what were your first steps into the musical world?

RICHARD - My father, a lawyer by trade, was an excellent amateur classical pianist, so I heard him playing frequently from an very early age. I started studying with him when I was about six, and then went on to study with a fine European piano teacher living in New York named Mark Goldin. I also started going to concerts at Carnegie Hall and elsewhere when quite young, and played in recitals that Mark gave with his students each year - pieces by Mozart, Mendelsohn, Brahms, etc. that included the piano part of several piano concertos that I played with him on two pianos.

ASTRONAUTA - How and when did you become interested in electronic music and synthesizers?

RICHARD - I heard a lecture by Stockhausen while I was at college near Philadelphia around 1958. He played a number of his early electronic pieces from that period and I was fascinated by the music. In graduate school at Yale I invited him to lecture there as well. I also invited John Cage and Mauricio Kagel to lecture. Cage was particularly stimulating and controversial. He did his simultaneous lecture "Where are we going, What are we doing" that is published in 'Silence' with three tape recorders and his own amplified voice. I wasn't sure what to make of it, but I knew that something changed in my consciousness in a mysterious way.

ASTRONAUTA - In the sixties you studied and worked in Italy with Luigi Nono, and you're also responsible for bringing the first Moog synthesizer to Europe, when you co-founded the live electronic music group Musica Elettronica Viva. What are your memories about that time?

RICHARD - I went to Italy on a Fulbright in 1964 and studied for the first year in Rome with Goffreddo Petrasi. Then I got the Fulbright renewed and moved to Venice to work with Nono, whom I had met and liked very much, and whose music interested me much more. I wrote a post-serial piece for chamber orchestra piece which I have never had played (I still have it in pencil score) which reflected the changes my music was going through at the time. It starts out very strictly and gradually introduces freely improvised sections. I was reading Cage's recently published 'Silence' at the time, and hanging out with The Living Theater and jazz musicians like Steve Lacy and Ornette Coleman, and the beginnings of Musica Elettronica Viva. Finally Nono and I had a friendly argument about getting more of a immediate experience from my musical efforts, and I went back to Rome to join up with MEV as a composer-performer. We played several hundred concerts in the next few years.

ASTRONAUTA - How did you meet Robert Moog and what are your memories about him?

RICHARD - One night in Rome I had a kind of vision about making music using brainwaves in some way. Frederic Rzewski told me about a man named Robert Moog who had created a new synthesizer in upstate New York. I started researching about brainwaves and wrote to ask Moog if his synthesizer could be used to somehow turn brainwaves into sound, and he quickly responded that it could, by amplifying and using the brainwaves as control signals for the synthesizer. I went back to New York and found Lloyd Gilden, a psychologist at Queens College who was doing similar work with brainwaves and biofeedback. He hired me to work both as lab technician and subject for his experiments and I worked there for almost a year, making money to buy a used Moog synthesizer the following fall. With the help of my old friend composer David Behrman I also learned to construct simple voltage controlled circuits such as voltage controlled amplifiers, etc. Moog built me a high gain differential amplifier to raise the level of the brainwaves to those needed as control signals, and I returned with that and the Moog to re-join MEV in the fall of 1967.

My memories of Bob Moog are very positive. He was a very warm and friendly man - totally unpretentious and very helpful. It is a great loss that he is gone.

ASTRONAUTA - Some of your early works included biofeedback techniques, brainwaves, heartbeats and other signals from human body. What were those techniques and how was the process you used to create it?

RICHARD - The first piece I did with those techniques was called 'In Tune' (1967). It was premiered at the American Academy in Rome and the American Church there as well. At the Church I had one "subject" performer whose heartbeats, breath and brainwaves were amplified. I controlled the levels and orchestrated the Moog sounds using the brainwaves as control signals. They supplied the rhythmic impulses giving intermittent beats around ten times per second which gradually increased in consistency and continuity as the positive feedback effected the subject, who also controlled them by opening and closing her eyes and changing her internal attention states. At the Academy I had two subjects who performed similar tasks. I also used these signals in the collective improvisations that MEV did together, and gradually added other pieces. In Toronto a few years later I added video synthesis controlled by brainwaves which modulated the image of a Tai Chi performer in real time, accompanied by South Indian Mridangam player Trichy Sankaran. For most of these pieces, Barbara Mayfield was the brainwave performer. Sometimes we also employed several members of the MEV group with different peoples heart, breath and brain signals, exploring non-verbal communication through these channels.

ASTRONAUTA - Do you still have some of the analog synthesizers you used in the sixties and seventies?

RICHARD - Yes, I still have my original Moog, as well as a number of additional Moog modules I added over the years, several Micro Moogs (at least one of them quite modified with an additional synth built in, etc.). I have sampled the big Moog and use those samples in Ableton Live, not being up to dragging the whole apparatus around these days.

ASTRONAUTA - What are your plans to the future, new recordings, next concerts? Any plans to come to Brazil? (By the way, have you ever been in Brazil?)

RICHARD - In the last couple of years I have released a recording of a recent live solo concert at performance space An Die Musik in Baltimore on the Mutable label, available by download on the web, and also a CD called Piano Plus of music for piano solo played by Frederic Rzewski, piano, piano, computer and interactive Disklavier, played by Ursula Oppens, piano, computer and sampler/synthesizer played by Aki Takahashi and myself, and three pieces for three computer enhanced player pianos played by myself, released on the New World Records label. Some new CDs should be forthcoming as well.

Yes, I have been to Rio for a few days en route back from a concert with my friend Carlos Zingano in Buenos Aires some years ago, but have never played in Brazil. I had a great time going to a samba school and a Candomble ceremony and would be delighted to come back and do a concert or an opera there.

Richard Teitelbaum's website:

Entrevista com Richard Teitelbaum

Richard Teitelbaum nasceu no dia 19 de maio de 1939, na cidade de New York, USA. Seu pai, um advogado por profissão e pianista amador, foi responsável pelas primeiras lições de piano que Richard teve, antes de estudar com o professor Mark Goldin, pianista europeu que residia em NY na época. No final dos anos 50, Richard Teitelbaum passou a interessar-se pela música eletrônica, depois de assistir à uma palestra do compositor alemão Karlheinz Stockhausen. Na sequência, teve acesso às obras do compositor John Cage, que tornou-se outra grande influência artística para Richard.

Concluiu seu mestrado em teoria musical e composição na Yale University em 1964 e, em seguida, partiu para a Itália, em um intercâmbio. Lá, conheceu os compositores Goffredo Petrasi e Luigi Nono, com quem Richard passou a trabalhar por algum tempo. Também na metade dos anos 60 participou da formação do conjunto de música eletrônica Musica Elettronica Viva (MEV), na cidade de Roma. Em 1967, interessado na utilização de ondas cerebrais como controladores de sons, ele ficou sabendo que o engenheiro eletrônico americano Robert Moog havia inventado e desenvolvido o sintetizador Moog, há alguns anos, e estava colocando-o no mercado. Richard contatou Bob Moog e logo tornou-se a primeira pessoa a levar um sintetizador Moog para a Europa, em 1967.

Em 1970, retornou aos USA, onde continuou suas experiências com música eletrônica ao vivo, misturada com instrumentos acústicos. Uma colaboração com o saxofonista de jazz Anthony Braxton começou em 1976 e, no ano seguinte, Richard Teitelbaum partiu para um período de um ano na cidade de Tokyo, onde estudou o shakuhachi (uma flauta tradicional japonesa, feita de bambu) com o músico e professor Katsuya Yokoyama, que viria a gravar com Teitelbaum alguns anos depois. Richard Teitelbaum leciona no Bard College, em New York, há mais de 20 anos.

Meu primeiro contato direto com Richard Teitelbaum para esta entrevista foi feito há alguns meses, via email. Uma pessoa muito gentil e prestativa, o Sr. Teitelbaum encontrou tempo na sua agenda atribulada e me deu a honra e o prazer de entrevistá-lo para meu blog. Agradeço-o imensamente. Então, aqui está a entrevista com Richard Teitelbaum, pioneiro da música eletrônica!

ASTRONAUTA - Richard, como a música surgiu na sua vida e quais foram seus primeiros passos no mundo musical?

RICHARD - Meu pai, advogado por profissão, era um excelente pianista amador. Então, eu ouvia-o tocar com frequência, desde que eu era criança. Eu comecei a estudar com ele, quando eu tinha uns seis anos, e depois passei a ter aulas com um ótimo professor de piano europeu chamado Mark Godin, que residia em New York. Também passei a frequentar concertos no Carnegie Hall e em outros locais, quando eu ainda era muito jovem, e toquei em recitais que o Mark realizava com seus alunos todos os anos - peças de Mozart, Mendelsohn, Brahms e outros, que tivessem trechos para piano, em alguns concertos nos quais tocavamos juntos, utilizando dois pianos.

ASTRONAUTA - Como e quando você passou a se interessar pela música eletrônica e pelos sintetizadores?

RICHARD - Eu fui à uma palestra feita pelo Stockhausen, quando estava numa faculdade próxima à Philadelphia, por volta de 1958. Ele apresentou algumas das suas primeiras peças eletrônicas, daquele período, e eu fiquei fascinado por aquela música. Na pós-graduação, em Yale, eu o convidei para palestrar la, também. Convidei também o John Cage e o Mauricio Kagel, para palestrarem. Cage era particularmente estimulante e polêmico. Ele fez suas palestras simultâneas "Where are we going, What are we doing" - que foram publicadas no livro 'Silence' - com três gravadores de fita e sua própria voz amplificada. Eu não tinha certeza do que fazer com aquilo, mas eu sabia que alguma coisa havia mudado na minha consciência, de forma misteriosa.

ASTRONAUTA - Nos anos 60, você trabalhou e estudou com Luigi Nono, na Itália. E você também foi responsável por levar o prineiro sintetizador Moog para a Europa, quando participou na formação do grupo de música eletrônica MEV (Música Elettronica Viva). Quais são suas lembranças deste período?

RICHARD - Eu fui para a Itália em um intercâmbio em 1964 e, no primeiro ano, estudei em Roma com o Goffreddo Petrasi. Então eu renovei o contrato para o intercâmbio e mudei para Veneza, para trabalhar com Nono, que eu havia conhecido e cuja música eu achava muito mais interessante. Eu escrevi uma peça pós-serial, para orquestra de câmara, que eu acabei nunca executando (eu ainda tenho a partitura, escrita a lápis), que refletia as mudanças pelas quais a minha música estava passando, naquele momento. Ela começa de forma muito rígida e gradualmente introduz partes de improviso livre. Eu havia lido o então recém publicado livro de Cage - 'Silence' - na época, e andava com o pessoal do The Living Theatre e com músicos de jazz, como Steve Lace e Ornette Coleman. E era o começo do grupo Musica Elettronica Viva. Finalmente, Nono e eu tivemos uma discussão amigável sobre como obter mais resultados do que uma experiência imediata dos meus esforços musicais, e então eu voltei para Roma e me juntei ao MEV, como compositor e músico. Nós fizemos algumas centenas de concertos nos anos seguintes.

ASTRONAUTA - Como você conheceu o Robert Moog e quais são suas lembranças dele?

RICHARD - Uma noite, em Roma, eu tive uma espécie de visão sobre como fazer música utilizando as ondas cerebrais, de alguma maneira. Frederic Rzewski me falou sobre um homem chamado Robert Moog, que havia criado um novo sintetizador, no interior de New York. Eu comecei a pesquisar sobre as ondas cerebrais e escrevi para o Robert Moog, perguntando se o seu sintetizador poderia ser utilizado para transformar as ondas cerebrais em sons, de alguma maneira, e ele rapidamente me respondeu, dizendo que sim, era possível, amplificando e usando as ondas cerebrais como sinal controlador do sintetizador. Eu retornei à New York e encontrei Lloyd Gilden, um psicólogo do Queens College, que estava justamente fazendo um trabalho similar, com ondas cerebrais e biofeedback. Ele me contratou para trabalhar tanto como seu técnico de laboratório quanto como objeto para suas pesquisas, e eu trabalhei lá por quase um ano, juntando dinheiro para comprar um sintetizador Moog usado, no outono seguinte. Com a ajuda de um velho amigo, o compositor David Behrman, eu também aprendi a construir circuitos simples de voltagem controlada, tipo Voltage Controlled Amplifiers, etc. Robert Moog construiu para mim um amplificador diferente, de alto ganho, para elevar o nível das ondas cerebrais para os níveis necessários para poderem ser sinais controladores, e eu retornei a Europa com este equipamento e o sintetizador Moog, para juntar-me novamente ao MEV, no outono de 1967.

Minhas lembranças sobre Bob Moog são todas positivas. Ele era um homem muito amigável e caloroso - totalmente sem pretenção alguma e muito prestativo. É uma grande perda que ele não esteja mais aqui. 

ASTRONAUTA - Alguns dos seus primeiros trabalhos incluem técnicas de biofeedback, ondas cerebrais, batidas cardíacas e outros sinais gerados pelo corpo humano. Quais eram estas técnicas e quais eram os processos que você utilizava para cria-las?

RICHARD - A primeira peça que eu fiz utilizando estas técnicas se chama 'In Tune' (de 1967). Ela estreou na American Academy, em Roma, e também na American Church. Na igreja, eu tinha um "objeto" no palco, cujos batimentos cardíacos, respiração e ondas cerebrais eram amplificados. Eu controlava os níveis e orquestrava os sons do Moog utilizando as ondas cerebrais como sinais controladores. Elas forneciam os impulsos rítmicos, gerando batidas intermitentes, cerca de dez vezes por segundo, que gradualmente aumentavam em consistência e continuidade, quando o feedback afetava positivamente o "objeto", que estava também controlando, ao abrir e fechar os olhos e alterando seus estados internos de atenção. Na American Academy, eu tinha duas pessoas que executavam as tarefas de maneira parecida. Eu também utilizei estes sinais em improvisações coletivas que o MEV realizava e, gradualmente, adicionei mais elementos. Em Toronto, alguns anos mais tarde, eu adicionei síntese de vídeo controlada por ondas cerebrais, que modulavam as imagens de um praticante de Tai Chi, em tempo real, acompanhado pelo músico Sul-Indiano Trichy Sankaran tocando Mridangam. Para estas apresentações eram utilizadas as ondas cerebrais da performer Barbara Mayfield. Em algumas ocasiões, nós também usávamos membros do MEV, com batimentos cardíacos, respirações e sinais cerebrais de pessoas diferentes, explorando a comunicação não-verbal através destes canais.

ASTRONAUTA - Você ainda tem alguns dos sintetizadores analógicos que você utilizava nos anos 60 e 70?

RICHARD - Sim, eu ainda tenho meu Moog original, bem como vários módulos adicionais da Moog, que eu fui adquirindo no decorrer dos anos. Também tenho alguns Micro Moogs (pelo menos um deles modificado, com um sintetizador adicional, etc.). Eu sampleei os sons do sintetizador Moog grande e uso os samples no Ableton Live, evitando ter que carregar o aparato todo por ai, nos dias de hoje.

ASTRONAUTA - Quais são seus planos para o futuro, novas gravações, próximos concertos? Alguma possibilidade de vir ao Brasil? (Ah, por sinal, você já esteve no Brasil alguma vez?)

RICHARD - Nos últimos dois anos, eu lancei a gravação de um recente concerto solo, registrado ao vivo no espaço An Die Musik, em Baltimore, através do selo Mutable (disponível para download na internet), e também foi lançado um CD chamado Piano Plus, com música para piano solo executada por Frederic Rzewski ao piano; Ursula Oppens ao piano, computador e Disklavier interativo; e sampler/sintetizador executados por Aki Takahashi e por eu mesmo. Também, três peças, para três piano players computadorizados executados por mim, lançados pelo selo New World Records. Novos CDs devem surgir, no futuro.

E sim, eu estive no Rio por alguns dias, quando voltava de um concerto com meu amigo Carlos Zingano em Buenos Aires, há alguns anos. Mas eu nunca me apresentei no Brasil. Tive bons momentos, indo à escolas de samba e à uma cerimônia de candomblé. Seria encantador voltar ao país e realizar algum concerto ou opera aí.

Website do Richard Teitelbaum: