Tuesday, October 08, 2013

Five questions to Bruno Spoerri

Bruno Alexander Spoerri was born on August 16th, 1935 in Zurich, Switzerland. He studied piano for a while, but changed to saxophone early in his youth, and it was playing the saxophone that Bruno Spoerri played with many jazz bands in Switzerland. Bruno attended the University in Basel and Zurich, studying Psychology, and after his graduation he worked as a psychologist and career counsellor. In 1964 he was invited to a job in an advertising agency and began to work with electronic music using a Ondes Martenot and, after, using lots of synthesizers and also experimenting with electrified/synthesized saxophones.

In 1970, Bruno Spoerri recorded the album "Jazz-rock Experience" with one of the bands he took part of, playing saxophone and synthesized saxophone. Interested in the synthesizers made by English company EMS, in the early seventies Bruno purchased a VCS-3 and one of the few Synthi 100 made by the company. In 1974, he recorded the album "Iischalte (Switched-on Switzerland)", a nice and funny electronic music album, recorded with lots of synthesizers. On "Voice Of Taurus" (1978), Bruno Spoerri experiments a lot with electrified wind instruments and also with jazz-rock and rock. In 1981, Bruno and former CAN's keyboard player Irmin Schmidt recorded an album together - "Toy Planet"- released via Spoon Records. Bruno is co-founder of the "Swiss Society For Computer Music" and from 1985 to 2000, Bruno was co-director of the "Swiss Center For Computer Music". The album "Gluckskugel" was released in 2006, with music composed and recorded by Bruno Spoerri from 1971 to 1980.

I contacted Bruno Spoerri via email some weeks ago, right after I interviewed Joel Chadabe on last August. In his interview Joel told that they worked together in some occasions. Bruno was very kind to accept my invitation to this interview, and I am very proud and grateful to have the opportunity to have contact this great pioneer of electronic music from Switzerland. Here's the interview!

ASTRONAUTA - Bruno, what were your first steps in music, first instrument you've learnt and first musical influences? How and when did you become interested in electronic music?

BRUNO - About 6 years old, I started with piano, but after a frustrating experience with a rigid piano teacher I looked for another instrument. I found out, that the guitar was not my instrument too, and switched to saxophone. In the years around 1950 be-bop and cool jazz were the jazz styles of the youth, and my idols were first Charlie Parker, then Gerry Mulligan and Lee Konitz. I got quite successful, won some competitions and played with some of the best Swiss jazz musicians. But I was interested in other music too, especially Strawinsky, Bartok, attended many concerts (my mother was violinist in the Basel symphony orchestra), and so 1955 I got into a very exciting concert with Ginette Martenot, playing the Ondes Martenot and Oskar Sala with his Mixturtrautonium. I began to read about electronic music, but there was no way to get nearer to then "ivory towers" of electronic music (especially for a jazz musician). After my finished studied as psychologist I worked as professional counselor, but then I got more and more into arranging and composing, could do the music for some small films. End of 1964 the boss of a advertising agency called me and offered the job of a "Tongestalter" (today we would say sound designer) in his new film company, producing mostly commercials for TV. I accepted, and had to produce a lot of music with small money, and we were in heavy competition with other companies. So I remembered the contact with electronic instruments and brought the only instrument , that was available then, an Ondes Martenot. And with this instrument I began to produce jingles, scored some documentary and experimental films and used it in my jazz group.

ASTRONAUTA - Do you still have and/or use analog synthesizers?

BRUNO - Most of my analog gear is sold (most of it to the remarkable Swiss Synthorama of Martin Hollinger), but I still have my first synthi, the EMS VCS-3 (from 1970), the ARP 2600 with sequencer and the Lyricon I and II. I use the lyricon quite often in performances, the other gear mostly for demonstrations to visitors.

ASTRONAUTA - In the early seventies you purchased an EMS Synthi 100, and I think you're one of a few persons who had one of those synthesizer systems. How and when did you buy that EMS Synthi 100? Do you still have it?

BRUNO - I bought the Synthi 100 in 1971. In 1987 I gave it to Felix Visser (Synton) in exchange for a Fairlight CMI; some years he had to sell it at an auction, and I don't know where it is now (I would recognize the instrument, as I did some small changes on it).

ASTRONAUTA - Also in the seventies you've experimented with electrified saxophones. What was the process you used to electrify your wind instruments?

BRUNO - As a saxophonist and jazz improviser I always looked for ways to play without a keyboard. In 1967 I got the chance to try the Selmer Varitone, but (it was too expensive) I switched to the Conn Multivider and later to the Hammond Condor. I used the Multivider in many concerts (1969 we played at the Montreux Jazz Festival with our jazz-rock group, and there I met Eddie Harris). In 1972 I began to use the EMS pitch-to-voltage-converter with the saxophone in concerts (with the VCS-3 I could do 3 part harmony and even come counterpoint melodies), and in 1975 I saw an ad for the Lyricon and ordered one immediately.

ASTRONAUTA - We have lots of information about electronic music made in USA, Germany, France, England, Italy, and Japan in the early days, but unfortunately only a few information about electronic music in the other countries. How it was working with electronic music in Switzerland in the '60s and '70s?

BRUNO - Well, I wrote a book (Musik aus dem Nichts, Geschichte der elektroakustischen Music in der Schweiz) that covers the whole story - alas, it is only in German, as nobody was willing to translate it. Most of my jazz colleagues hated electronics (but they, too, hated jazz-rock). In the commercial world, on the other side, I had a lot of chances: I could do TV-shows, signature tunes for TV, a lot of film music, some LPs (e.g. for Erich von Däniken) etc.

More info: Bruno Spoerri's official website http://www.computerjazz.ch/

Cinco perguntas para Bruno Spoerri

Bruno Alexander Spoerri nasceu no dia 16 de agosto de 1935, em Zurique, Suiça. Ele estudou piano por algum tempo na sua juventude, mas mudou para o saxofone logo em seguida, e foi justamente tocando saxofone que Bruno Spoerri fez parte de várias bandas de jazz na Suiça. Em Basel e em Zurique, Bruno frequentou a universidade e graduou-se em psicologia e, em seguida, trabalhou como psicólogo e orientador vocacional. Em 1964, ele foi convidado para trabalhar em uma agência de publicidade e começou a se envolver com a música eletrônica, primeiramente utilizando um Ondes Martenot e, na sequência, adquirindo vários sintetizadores e também fazendo experiências com saxofones eletrificados e sintetizados.

Em 1970, Bruno Spoerri gravou o disco "Jazz-Rock Experience", com uma das bandas que ele fazia parte, tocando saxofone e saxofone sintetizado. Muito interessado pelos instrumentos da empresa inglesa EMS, em 1970 Bruno adquiriu um VCS-3 e um dos raros Synthi 100 fabricados pela empresa. Em 1974, ele gravou o disco "Iischalte (Switched-on Switzerland)", um album de música eletrônica muito divertido e interessante. No disco "Voice Of Taurus" (1978), Bruno experimentou com vários instrumentos de sopro sintetizados e também com jazz-rock e rock. Em 1981, ele e o tecladista Irmin Schmidt (da banda alemã CAN) gravaram juntos um álbum - "Toy Planet"- lançado pela Spoon Records. Bruno é co-fundador do"Swiss Society For Computer Music" e, entre 1985 e 2000, Bruno foi co-diretor do "Swiss Center For Computer Music". O disco "Gluckskugel" foi lançado em 2006, com músicas gravadas e compostas por Bruno Spoerri entre 1971 e 1980.

Entrei em contato com Bruno Spoerri por email há algumas semanas, logo após minha entrevista com Joel Chadabe, em agosto. Joel citou o nome de Bruno, pois os dois haviam trabalhado juntos em algumas ocasiões. Bruno foi muito gentil em aceitar meu convite para esta entrevista e eu fico muito lisonjeado e grato com a oportunidade de manter contato com este grande pioneiro da música eletrônica feita na Suiça. Aqui está a entrevista!

ASTRONAUTA - Bruno, quais foram seus primeiros passos na música, o primeiro instrumento que você aprendeu a tocar e quais foram suas primeiras influências musicais? Como e quando você se interessou pela música eletrônica? 

BRUNO - Aproximadamente aos seis anos de idade, eu comecei com o piano, mas depois de uma experiência frustrada com um professor de piano muito rígido eu fui procurar outro instrumento. Também percebi que a guitarra não era o meu instrumento, então mudei para o saxofone. Na década de 1950, o be-bop e o cool jazz eram os rítmos da juventude e meus ídolos eram Charlie Parker e, mais tarde, Gerry Mulligan e Lee Konitz. Eu obtive algum sucesso, ganhei algumas competições e toquei com alguns dos melhores músicos de jazz da Suiça. Mas eu também tinha interesse em outro tipo de música, especialmente Strawinsky, Bartok, assisti a vários concertos (minha mãe era violinista da orquestra sinfônica de Basel). Então, em 1955, eu fui a um concerto muito excitante, com Ginette Martenot tocando o Ondes Martenot e Oskar Sala com seu Mixturtrautonium. Eu comecei a ler sobre música eletrônica, mas era quase impossível alcançar a "torre de marfim" que era a música eletrônica na época (especialmente para um músico de jazz). Depois de concluir meus estudos de psicologia, trabalhei como terapeuta profissional mas na época eu estava me dedicando cada vez mais em arranjar e compôr, criando música para alguns filmes curtos. No fim de 1964 o chefe de uma agência de publicidade me chamou e ofereceu um emprego de "Tongestalter" (o que hoje poderíamos chamar de sound designer) na sua nova companhia cinematográfica, produzindo principalmente comerciais para a TV. Eu aceitei e tinha que produzir muitas músicas com pouco dinheiro e estávamos em competição acirrada com outras companhias. Então eu me lembrei do contato que tive com instrumentos eletrônicos e trouxe o único instrumento que estava disponível na época, um Ondes Martenot, e com este instrumento eu passei a produzir jingles, compus para alguns documentários e filmes experimentais e também utilizei na minha banda de jazz. 

ASTRONAUTA - Você ainda possui ou utiliza algum sintetizador analógico?

BRUNO - A maior parte do meu equipamento analógico foi vendida (a maioria para o notável Synthorama, do suiço Martin Hollinger), mas eu ainda tenho meu primeiro sintetizador - um EMS VCS-3 de 1970 -, um ARP 2600 com o sequencer e o Lyricon I e II. Eu utilizo o Lyricon bastante em apresentações, os outros equipamentos eu uso basicamente para demonstrações aos visitantes. 

ASTRONAUTA - No começo dos anos 70 você comprou um EMS Synthi 100, inclusive eu acho que você foi uma das poucas pessoas no mundo a ter um sintetizador destes. Como e quando você adquiriu o seu EMS Synthi 100? Você ainda o possui? 

BRUNO - Eu adquiri o Synthi 100 em 1971. Em 1987 eu dei ele ao Felix Visser (Synton), na troca por um Fairlight CMI; alguns anos mais tarde, o Felix vendeu o Synthi 100 em um leilão. Eu não tenho conhecimento de onde esteja este sintetizador hoje em dia (mas eu o reconheceria, ja que fiz algumas pequenas alterações no Synthi 100).

ASTRONAUTA - Também nos anos 70, você fez experiências com saxofones eletrificados. Qual era o processo que você utilizava para eletrificar seus instrumentos de sopro? 

BRUNO - Como um saxofonista e jazista improvisador, eu sempre procurei por maneiras de tocar sintetizador sem o teclado. Em 1967 eu tive a chance de experimentar um Selmer Varitone, mas (era muito caro) e eu mudei para o Conn Multivider e, mais tarde, para o Hammond Condor. Eu utilizei o Multivider em vários concertos (em 1969 nos apresentamos no Montreux Jazz Festival com nossa banda de jazz-rock, e lá eu conheci o Eddie Harris). Em 1972 eu passei a utilizar o EMS pitch-to-voltage-converter com o saxofone em concertos (juntamente com o VCS-3, eu podia tocar harmonias com três notas e até mesmo algumas melodias de contraponto) e em 1975 eu vi um anúncio do Lyricon e encomendei um imediatamente.

ASTRONAUTA - Encontramos várias informações sobre os primórdios da música eletrônica feita nos Estados Unidos, Alemanha, França, Inglaterra, Itália e Japão, mas infelizmente temos pouca informação sobre a música eletrônica feita em outros países. Como era trabalhar com música eletrônica na Suiça nos anos 60 e 70?  

BRUNO - Bem, eu escrevi um livro sobre isto (Musik aus dem Nichts, Geschichte der elektroakustischen Music in der Schweiz), que cobre a história toda - aliás, está apenas em alemão, ja que ninguém se prontificou a traduzi-lo. A maioria dos meus colegas do jazz odiavam a música eletrônica (mas eles também odiavam o jazz-rock). No mundo dos comerciais, por outro lado, eu tive muitas chances: eu pude fazer programas de TV, vinhetas para TV, várias músicas para filmes e alguns LPs (como, por exemplo, com Erich von Däniken), etc.

Mais informações no site oficial do Bruno Spoerri: http://www.computerjazz.ch/